Droga.

Eu procrastinei o dia todo… e decidi ressucitar meu blog.

Droga.


I drew Mary Elizabeth Winstead (@M_E_Winstead) like one of my french girls.
Well, don’t all the girls love a boy who knows his poetry? ♪

I drew Mary Elizabeth Winstead (@M_E_Winstead) like one of my french girls.

Well, don’t all the girls love a boy who knows his poetry? ♪


Marriage schizophrenic.

Baby, seasons change but people don’t…

Há alguns meses atrás eu estava mandando um e-mail pra mim mesmo no futuro (daqueles sites que mandam e-mails pro futuro) no qual ainda não recebi, mas a única coisa que ainda me lembro bem daquela mensagem toda é que as ideias nela eram totalmente abstratas comparadas ao que está sendo meu ano.

Uma coisa que me lembro bem era sobre ficar bem do jeito que eu estava, lembro de algo que disse, que do jeito que a minha vida sempre foi, assim que liberassem o casamento esquizofrênico no Brasil, eu seria o primeiro a casar comigo mesmo.

Mas acontece que de repente estou eu procrastinando volta pra casa, explorando São Paulo depois de pegar uns trabalhos e eu percebo que a minha vida se tornou um casamento comigo mesmo. Minha carreira profissional de freelancer é como sexo com várias pessoas diferentes sem vínculos afetivos, eu me divirto, trabalho bem com várias pessoas diferentes e ainda acabo no lucro sem ressentimentos por que isso não é errado, não prometi exclusividade e não amo ninguém, amo a carreira, o trabalho e o que ganho com isso no geral.

Minha vida pessoal, pelo contrário, é um casamento falho comigo mesmo, eu nunca sei o que eu quero, eu mal me entendo, eu concordo muito pouco com o que eu faço, eu esqueço fácil minhas datas importantes, coloco trabalho em primeiro lugar, se eu passar um dia inteiro sem falar comigo mesmo é normal e eu brigo comigo mais do que posso por motivos que eu normalmente desconheço a origem, é um casamento esquizofrênico forçado que está a beira da falência, mas não há um divórcio por que ainda acredito fielmente em um futuro próximo em que eu me entenda e que pare de bater minha cabeça dura contra mim mesmo, além do mais, eu morreria sem mim.

Offs pros poucos que sabem da vida amorosa e afins. Vocês sabem quem são.


Let’s Get Serious

Daí que eu apaguei exatos 127 posts desse blog, por que quero reservar ele pra coisas que realmente importam pra mim, em suma, textos, devaneios, reclamações e coisas do tipo, preservei aqueles que consegui um número legal de notas e alguns outros que realmente importam pra mim, textos antigos e etc.

Espero que gostem das adaptações.

PS.: Não dei nenhum unfollow e nem tirei likes.


What is 5000 times better than a Candle In The Wind? […] This song is called ‘5000 Candles In The Wind’
Andy Dwyer, Parks and Recreation

I guess I kind of hated most things, but I never really seemed to hate you. So, I wanna spend the rest of my life with you, is that cool?
April Ludgate, Parks and Recreation

Aitch.

Então, depois de tantos anos sua memória não se apagou, aquela tormenta passada ficou firme presa dentro de mim como algo que faz parte constante de tudo o que eu faço e farei, aquele tempo que teria sido pior sem você continua aqui e eu não mudo nada disso.

Sinto que você sabe bem o que acontece, e como tudo tem corrido e que apesar disso eu nunca realmente te deixei ir. E por mais que eu tente eu não consigo e nem quero transformar isso em águas passadas, como tudo o que fez parte daquele tempo.

E junto com grande parte da minha vida, se cheguei hoje onde queria e estou de pé fazendo o que preciso, saiba que não estaria aqui sem você, com cada elogio e gratidão alheia, cada gesto meu, momento de crescimento e até mesmo solidão, minha última memória sua era aquela que gostaria que visse, da cabeça mais dura a suavidade e sensibilidade mais fina e a sensatez simples e sempre presente, gravada na imagem do seu sorriso, que eu carrego comigo como a minha parte mais forte, em cada gesto e por todas as coisas que eu passei pra chegar onde cheguei, se hoje me considero feliz, aposte que isso é por você.

E por isso só tenho a agradecer, e deixar a promessa de que isso nunca vai mudar, e eu nunca vou te esquecer. H.

Your destiny may keep you warm…

I’ll see it someday (:


twothousandandten.jpg

2O1O, foi um ano de acontecimentos.

Acho que de todos os anos que eu já tive, tenho inúmeros motivos pra citar esse como um dos mais corridos, sufocantes e aleatórios da minha vida, 12 meses que por mais que tenham voado, conseguiram ser extremamente marcantes, cada um por um motivo diferente, não que tenha sido maçante do começo ao fim, mas posso dizer que os últimos 365 dias da minha vida (literalmente falando, por que esse é oficialmente o último) foram sim, muito felizes.

Se fosse pra dar continuidade a uma tradição anual de blogs onde eu faço um balanço de tudo o que me aconteceu esse ano começaria falando do fim do técnico, ahh o TCC, me lembro de conhecer o Gê (Nando) como um macro do início do TCC, mock up, tela, festa merdieval (no pun intented -q), um primeiro semestre mal dormido, camisetas, brindes, logos e mais logos, professores sendo difamados pelo twitter, parecia que eu não conhecia outra pessoa além da Isa nessa vida, e que a gente não conhecia outro modo de conversar a não ser por caps lock, com o apoio totalmente significativo e de muito amor de Sté, Malu e Jac, que apesar de nem estar por perto na hora dos berros esteve sempre presente, o fim do técnico foi o começo de uma era, em um ano e meio eu posso dizer que amadureci loucamente, mudei, aprendi muito, defini carreira, acho que se for pra citar o ano em que eu realmente comecei a ter noção de vida, meio que como um macro, esse foi o tal, e eu não poderia ter passado por nada disso sozinho.

Depois, nesse mesmo balanço anual eu citaria minha odisséia pós-técnico-pré-faculdade-vai-e-volta-do-enem-vestibular-da-anhembi-socorro, às milhões de idas a casa da Jac pra relembrar três anos inúteis de ensino médio e os pesadelos aterrorizadores de decisões entre fazer ou não o enem, decidir entre design e psicologia, o thriller trash da prova ridícula da Anhembi que no final só acabou me irritando por ter feito prova, a decisão de ir pra Panamericana, nada nada se passaram 4 meses em um piscar de olhos separados em muita matemática e bam, eu tinha desistido de 4 faculdades, negado 892 cursos diferentes pro meu pai, decidido fazer o enem e ir pra faculdade de design que era boa, barata e de duração menor.

Com o fim da odisséia futuro, o presente me rondava sem perceber e de repente o que eu poderia considerar acontecer só mesmo em 2O11 me pegou antes mesmo que eu pudesse perceber, velhos amigos que tinham sumido de repente e outros que tinham voltado do nada, amizades fortes que se mostraram fortes mesmo eu não vendo mais esse povo lindo todos os dias e grandes amizades novas que eu já posso considerar que estão bem marcados na minha vida, e de repente eu estava namorando, pulemos essa parte, e então apareceu o Patrick, que literalmente daria sua vida por amor a mim, o Juca, que sempre foi uma ótima fonte de conversas que sempre se impressionou com o meu gosto musical, o Gê que sempre foi o meu grande gêmeo por inúmeros motivos, a Barbs que sempre se mostrou aí por mim e sempre me ajudou a estar aí por ela, a Ju, minha escritora estrela que sempre me apoiou e impulsionou muito e que eu sinto muita sorte de ter conhecido, como todos os outros citados acima (obrigado de verdade galera [galera = galera toda, Turma C indeed], sem vocês eu não sei o que seria desse ano ou até mesmo de mim), e então eu estava solteiro e com toda uma revisão de 10 anos falhando fielmente em 10 relacionamentos atípicos porém significativos, se eu não tivesse tido um pingo de amor por esses esquisitões eu nunca teria chegado onde eu cheguei.

Por isso 2O1O foi tão bom e tão necessário, e eu agradeço a todos os evolvidos, vocês sabem quem são e o quanto significam pra mim e o quanto eu quero vocês por perto em 2O11 como estiveram em 2O1O e pelos anos que vierem.

Enfim, 2O11 é um ano novo, facul, pessoas, trabalhos, um novo ano aterrorizador, but bring it on, por que 2O11 vai ser o meu ano e vai ser melhor que 2O1O, aconteça o que acontecer, por que pelo menos agora eu sei o que quero. (:

QUER DIZER…


Planing

De todo dinheiro que eu ganhei no natal, 30 reais já foram embora, sendo dia 27 de dezembro, isso é o que eu chamaria de absurdo, então resolvi me planejar pra gastar o resto direito antes que chegue fevereiro e eu esteva devendo pra meio mundo como no ano passado.

All Star - 100 reais - ANTES DE JOGAREM PEDRAS, eu preciso desse, no geral, eu tenho 3 tênis, um está todo acabado, outro pequeno e o meu queridíssimo All Star vermelho está com meia sola, além do mais este outro é converse, blá blá blá wiskhas sachê.

Portfolio - 50 reais - PRA ESSA SEMANA (vou começar todos os meus comentários desesperados em caps), acontece que eu tenho uma pasta novinha, cartões de visitas, um portfolio na web, trabalhos mil pra expor e nadica de nada impresso, quer dizer…

Reposição de livros e CDs - +-100 - Presente de mim pra mim por que última vez que fui na Livraria Cultura eu enchi um carrinho pra acabar levando um CD, um vinil e um DVD que não eram nem pra mim.

Acho que por enquanto é só, então nem me dêem idéias, por que sobrou o suficiente pra eu achar que tenho algo.

O que sobrar será desviado pros meus projetos atuais: Minha carreira freelancer e trabalhos relacionados e meu projeto voluntário pessoal com jovens talentos. Caso eu quebre essa lista e não compre uma das coisas que planejei aqui, dou a permissão pra enncherem minha caixa da Ask de besteiras, ofensas não, besteiras. -q -n